A Medicina Ortomolecular feita da maneira certa!

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Inclua o arroz integral à sua dieta


O arroz integral já é nosso velho conhecido, e muito fácil de ser encontrado nos supermercados. Mas muitas pessoas ainda não sabem ao certo os benefícios que ele traz ao organismo. Pois o arroz integral é uma ótima adição à sua dieta, pois ele ajuda a perder peso!

A diferença do arroz comum para o integral é a casca que envolve o segundo tipo. E é exatamente nela que se concentram todos os benefícios, como o bom funcionamento do intestino, controle da diabetes e redução da gordura abdominal.

As fibras presentes na casca do arroz integral formam uma espécie de goma quando entram em contato com a água. Essa goma torna a digestão mais lenta, fazendo com que o organismo trabalhe mais e gaste mais calorias, reduzindo até 10% de gordura na região do abdome.

Além disso, ele também ajuda a dar uma sensação maior de saciedade, fazendo com que você coma menos durante e após o almoço. Outros benefício desse arroz são a prevenção contra doenças cardiovasculares e contra queda de cabelo, e a hidratação (de dentro para fora) de pele e unhas.

O arroz integral contém ainda uma substância chamada metionina, um aminoácido semelhante à serotonina que traz sensação de bem-estar. O ideal para consumo são quatro colheres cheias por dia.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Melão: amigo da pele bonita e do corpo enxuto



Composto de 80% de água, o melão hidrata e te ajuda a secar o inchaço, mesmo quando consumido aos pedaços. Se você preferir transformá-lo em suco vá em frente, mas evite coar. Do contrário, você elimina boa parte das fibras que também estão presentes na polpa e são muito bem-vindas. Elas garantem o poder da fruta em eliminar toxinas e a desinchar, o que ajuda muito na conquista de uma barriga mais lisinha. E, por ter poucas calorias - só 30 em uma fatia média (100 gramas) -, o melão não engorda e até facilita a perda de peso! 

Controlar a fome é seu maior desafio? O melão continua sendo um grande aliado. Rico em pectina, um tipo de fibra na forma de gel, ele aumenta rapidamente a sensação de saciedade. Experimente incluir pedaços da fruta na salada: o apetite diminui bastante logo no começo da refeição, evitando que você exagere nos pratos mais pesados. A dieta também fica mais gostosa: com textura macia e sabor levemente adocicado, o melão combina com as folhas verdes, especialmente as ardidinhas como rúcula e agrião.

O melão está na lista dos alimentos funcionais - ou seja, ele carrega substâncias que, além de nutrir, reduzem a retenção de líquidos, melhoram o funcionamento do intestino e reforçam o sistema imunológico. Entre os minerais, a maior estrela do melão é o potássio: são 213 miligramas em cada 100 gramas da fruta. Por estar associado ao controle da pressão arterial, o potássio é essencial à saúde do coração.

A fruta também é fonte de vitaminas antioxidantes (A, E e C) famosas por adiar o envelhecimento precoce. Ferro (importante para combater anemia) e cálcio (indispensável para os ossos) também estão presentes nele.
  
Para conservar bem

• Compre sempre o melão inteiro. Depois de fatiado, a fruta perde nutrientes, especialmente vitamina C.

• Dê preferência ao melão de casca firme, cor viva e sem rachaduras, partes moles, áreas escurecidas ou furos. O aroma da fruta deve estar suave e agradável. Para saber se ela está no ponto de ser consumida, a casca deve ceder a uma leve pressão dos dedos.

• Se o melão ainda estiver verde, guarde-o fechado em um lugar fresco e arejado. Mas, assim que amadurecer, coloque-o na geladeira. Depois de abri-lo, cubra com filme plástico e consuma em até três dias.

Fonte: Boa Forma

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

4 dicas para diminuir o colesterol


Quando em excesso, o colesterol (gordura encontrada naturalmente em nosso organismo) torna-se o vilão das doenças cardiovasculares por entupir as artérias do coração. Conhecido como LDL, o mau colesterol pode (e deve) ser prevenido com exercícios físicos e dieta saudável. Essa simples mudança de hábitos eleva a produção do bom colesterol (HDL), que limpa a circulação sanguínea, varrendo a outra porção da parede dos vasos.

O que comemos diariamente influi na produção de colesterol no organismo. Por isso, é muito importante seguir uma rotina de alimentação saudável, e alguns alimentos em especial podem ajudar.

Ervilha, grão-de-bico, feijão e lentilha são boas fontes de fibra, um nutriente que diminui a absorção de gordura pelo organismo. Uma sugestão é empregar esses grãos em sopas e saladas. Alimentos como a maçã e a batata também têm uma grande quantidade de fibras na casca. Prepare saladas, tortas e sucos com eles e coma frutas frescas.

Evite comidas de origem animal, como manteiga, queijo, leite integral, bacon, salsicha, salame, presunto, gema de ovo e pele de aves. Assim você diminui bastante o consumo da maléfica gordura saturada.

O tempero é rico em gorduras monoinsaturadas, que atuam como protetoras do coração. Elas diminuem o nível do mau colesterol no sangue ao mesmo tempo que aumentam o bom.

Estudo recente da Sociedade Britânica de Ciência afirma que comer uma barra pequena (30 g) de chocolate meio amargo com 75% de cacau todos os dias ajuda a combater as doenças cardíacas. Isso porque o cacau tem flavonoides, que evitam o acúmulo do colesterol nas artérias.


Fonte: Máxima

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Inclua esses alimentos na sua dieta e acabe com os pneuzinhos!


Ter uma barriga lisinha não é fácil. Mesmo melhorando os hábitos de alimentação para perder peso, podem acabar sobrando os famigerados pneuzinhos. Mas alguns alimentos têm o poder de auxiliar na eliminação da gordura, e é neles que devemos apostar. Veja alguns alimentos e os seus benefícios a seguir:

Canela em pó

Tem alto teor de cálcio, que acelera o metabolismo. Você pode ingerir uma colher de café rasa, de uma a duas vezes ao dia, polvilhada por cima de frutas ou misturada em sucos.

Chá verde

Rico em cafeína, que estimula o organismo a queimar a gordura como fonte de energia. Recomenda-se beber até quatro xícaras por dia.

Feijão branco

Contém faseolamina, uma glicoproteína que reduz totalmente a absorção de carboidratos pelo organismo. A melhor forma de aproveitar esse benefício é consumindo o feijão branco cru, em forma de farinha. Uma colher de sopa nas refeições, três vezes por semana, é o suficiente.

Vinagre de maçã

Contém pectina, uma fibra solúvel que se transforma em uma espécie de gel dentro do estômago, capaz de controlar a fome (aumentando a sensação de saciedade) e bloquear a absorção de gordura. O ideal é ingerir uma colher de chá, duas vezes ao dia, temperando a salada, ou misturado a uma xícara de água (beba no desjejum).

Gengibre

Contém ativos como o gingerol, que aceleram o metabolismo e aumentam o gasto calórico em mais de 10%. Pode ser consumido cru, refogado ou em forma de chá. Um pedaço de 2cm é o ideal por dia.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Emagreça comendo arroz e feijão


A maioria das pessoas, ao começar uma dieta, abandona a típica combinação de arroz com feijão diária por uma porção de salada e frango grelhado. O problema é que além de você enjoar mais rápido dessa rotina salada-frango, está perdendo a chance de emagrecer com saúde! É isso mesmo, a dupla arroz-e-feijão não só é pouco calórica (se consumida com moderação) como também ajuda a emagrecer!

Diferentemente do que muita gente pensa, juntos eles promovem uma saciedade de longa duração, mesmo se o arroz não for integral. Ou seja, quando adotamos esse prato tradicional, ficamos mais satisfeitos e ingerimos menos calorias na refeição e ao longo do dia. Isso por duas razões: a dupla é rica em fibras e é capaz de liberar paulatinamente glicose no sangue, afastando a fome por mais tempo e evitando a produção excessiva de insulina, hormônio que favorece o estoque de gorduras e o aparecimento de doenças como o diabete.

Além das fibras, eles possuem cálcio e proteínas, que aceleram o metabolismo e espantam a vontade de comer mais. De fato, eles são um par mais que perfeito. O arroz e o feijão não só fornecem diversos nutrientes como formam uma proteína completa. Explicando melhor: o arroz é pobre no aminoácido lisina, que, por sua vez, sobra no feijão. Já o aminoácido metionina não é encontrado em abundância no feijão, porém é farto no arroz. E proteínas têm tudo a ver com emagrecimento, já que elas também dão saciedade, além de ajudar na queima de calorias.

Para usufruir dos seus benefícios, adote a proporção 3 para 2, isto é, 3 colheres de sopa de arroz para 2 de feijão. Assim, você obtém nutrientes em perfeito equilíbrio. E em matéria de calorias, essa quantidade de arroz e feijão soma 239 (1 colher de sopa de arroz contém 41 e 1 de feijão, 58). Ou seja, é pouco calórica. Então aproveite!


Fonte: M de Mulher

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Perca peso comendo devagar


Para quem come sempre com pressa e não presta atenção a cada garfada, cuidado! Pesquisadores comprovaram que mastigar a comida apropriadamente pode ajudar as pessoas a comerem menos diante da mesa.

O estudo mostrou que comer devagar e dar mordidas pequenas nos faz sentir com menos fome uma hora depois da refeição. As pessoas que comem devagar também tendem a beber mais, o que as ajuda a se sentir mais cheias, dizem os especialistas.

Os pesquisadores da Texas Christian University (Estados Unidos) exploraram a relação entre comer rápido e a ingestão de calorias. Eles questionaram voluntários sobre seus sentimentos de fome e saciedade antes e depois de refeições aceleradas e em ritmo lento, além da quantidade de água que beberam durante cada uma delas.

Durante a refeição lenta, as pessoas foram instruídas a imaginar que não tinham limitações de tempo. Elas deveriam dar mordidas pequenas, mastigar bem e repousar os talheres entre as garfadas. Já na refeição rápida, os voluntários deveriam imaginar um momento de pressa, dar mordidas grandes, mastigar rapidamente, e não parar nunca os talheres.

Os pequisadores concluíram que as pessoas do grupo da refeição lenta comeram, em média, 88 calorias a menos do que os que comeram rapidamente. As pessoas que estavam acima do peso, no entanto, comeram apenas 58 calorias a menos em média. Quem comeu devagar também relatou menos fome uma hora mais tarde. 

O grupo que comia devagar também bebia mais água. Segundo os estudiosos, o maior consumo de água provavelmente causou a distensão do estômago e afetou o consumo de alimentos. Diminuir a velocidade pode ajudar a diminuir o consumo de energia e suprimir os níveis de fome, além de aumentar o prazer de uma refeição.

Fonte: Terra Saúde